Texto elaborado pela Bolsista de graduação em Nutrição Kinberly Alves F. Rodrigues e revisado pelas nutricionistas Marcelly Lopes e Vanessa Chaia.

 

Atualmente percebemos aumento crescente de adeptos de dietas da moda como dieta sem glúten, dieta LowCarb, dieta LacFree, entre outras. Esse tipo de padrão alimentar está comumente associado à monotonia alimentar, restrições muito severas difíceis de aderir em longo prazo e sentimento de fracasso e frustração pela dificuldade de adesão.  Dietas restritivas podem desregular os mecanismos fisiológicos de controle da fome e saciedade, além de estresse e privação psicológica que podem desencadear episódios de descontrole e compulsão, podendo precipitar transtornos alimentares em pessoas suscetíveis ou colaborar ainda mais para o ciclo de perda-ganho de peso.

 

Dieta sem glúten:

A única comprovação científica de que a retirada do glúten traz algum benefício para a saúde é em casos de indivíduos portadores de doença celíaca. Não há provas suficientes para supor que indivíduos saudáveis experimentariam quaisquer benefícios do consumo de uma dieta sem glúten. Inclusive, em relação a emagrecimento, dados epidemiológicos sustentam que indivíduos com doença celíaca e excesso de peso não apresentam perda de peso com adoção de dieta sem glúten.

Uma dieta sem glúten normalmente é pobre em cereais integrais e fibras, o que pode, inclusive, ocasionar ganho de peso, e pode ser prejudicial para a saúde intestinal. Ainda sobre a saúde intestinal, dados experimentais recentes mostraram possíveis efeitos deletérios da alimentação sem glúten sobre a microbiota intestinal em indivíduos saudáveis. Por causa da exclusão de alimentos que contém trigo, houve diminuição significativa na proporção das bactérias intestinais boas e nocivas.

Devido ao seu efeito prebiótico, pode-se afirmar que a ingestão de farinha de trigo integral por indivíduos não sensíveis ao glúten contribui para a redução no risco de câncer de intestino, doenças inflamatórias, dislipidemias e doenças cardiovasculares.

No entanto, também é importante notar que as dietas sem glúten podem ser saudáveis para a população em geral, desde que a retirada dos alimentos com glúten seja compensada pela ingestão de outros grãos integrais, e de hortaliças de baixa densidade energética. Isto não significa, no entanto, que a retirada do glúten seja responsável por qualquer um dos possíveis benefícios observados.

   

LowCarb

Os proponentes dessas dietas defendem que uma dieta rica em carboidratos deixa o indivíduo menos satisfeito, resultando em mais fome, maior ingestão de carboidratos e maior produção de insulina, o que inibiria a liberação de serotonina cerebral, que, por sua vez, aumenta o apetite.

A maior parte da perda de peso obtida nos primeiros dias com esse tipo de dieta se deve à perda de fluidos. Em longo prazo, as perdas são comparáveis com dietas convencionais, e há frequente reganho de peso acima dos valores perdidos.

É importante destacar que todas as dietas hipocalóricas independente da distribuição de macronutrientes, se sustentadas em longo prazo, levam à perda de peso. Entretanto, em curto prazo, as dietas cetogênicas, ricas em gorduras e escassas em carboidratos, causam maior perda de água do que de gordura corporal. Essas dietas são também frequentemente ricas em proteínas animais e deficientes em vitaminas A, B6 e E, folato, cálcio, magnésio, ferro, potássio e fibras, portanto, a suplementação pode ser necessária. Esse tipo de dieta pode ainda levar a halitose, dor de cabeça e litíase renal por oxalato, questionando-se a segurança cardiovascular do seu emprego em longo prazo.

           

Outros efeitos adversos das dietas pobres em carboidratos:

  • Aumento da concentração de ácido úrico;
  • Diminuição da glicemia e da insulinemia;
  • Aumento da gliconeogênese (formação de glicose a partir de aminoácidos e ácidos graxos) que leva à degradação proteica;
  •  Redução da betaoxidação no ciclo de Krebs devido à falta de carboidratos (fundamentais para queima de gordura);
  • Redução do HDL;
  • Perda de massa óssea;
  • Mau hálito;
  • Obstipação intestinal e/ou diarreia;
  • Tontura, fraqueza e fadiga;
  • Dificuldades cognitivas;
  • Sobrecarga renal devido ao excesso de proteínas na dieta;
  • Aumento do risco de mortalidade por câncer devido ao excesso de proteínas na dieta;
  • Reganho de peso em maior proporção que o que foi perdido.

 

 

 

 

LacFree

A alimentação sem lactose restringe o acesso a muitos alimentos. É uma dieta complicada de aderir, além de ser um padrão alimentar com maior dificuldade de atingir os teores de proteína, fósforo e cálcio necessários.

Além disso, de acordo com o informativo do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN) do dia 19 de setembro de 2012, a recomendação indiscriminada para restrição ao consumo de leite e derivados não encontra, atualmente, respaldo científico com nível de evidência convincente e está em desacordo com o Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar (2007).

O CRN ainda recomenda que a restrição ao consumo de leite e derivados deve ser feita somente por pacientes com diagnóstico clínico confirmado de intolerância à lactose, sensibilidade à proteína do leite (alergia à proteína do leite de vaca – APLV) ou de outras condições fisiológicas e imunológicas. A Instituição também ressalta que o diagnóstico clínico é de competência exclusiva do médico.

Os estudos epidemiológicos confirmam a importância nutricional do leite na dieta humana e reforçam o possível papel do consumo de laticínios na prevenção de várias doenças crônicas, doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer, obesidade e diabetes. Não há nenhuma evidência para apoiar o uso de dieta isenta de leite de vaca como um tratamento para sobrepeso e obesidade.

Bibliografia consultada:

BRASIL. Conselho Federal de Nutricionistas. Código de Ética do Nutricionista. Resolução CFN nº. 334, 2004.

Parecer técnico nº 10/2015 do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região (CRN3) sobre dietas sem glúten:

http://www.crn3.org.br/Areas/Admin/Content/upload/file-0711201575953.pdf

 Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO). Diretrizes brasileiras de obesidade. - 4. ed. - São Paulo, SP: ABESO, 2016.

 
ALVARENGA, M. et al. Nutrição comportamental. Editora Manole, 2016.

 Destaques 

  

Ensino 3

 Ensino

O INJC oferece o curso de graduação em Nutrição, um dos melhores da área, em ranking nacional, além do curso de Bacharelado em Gastronomia, o primeiro em instituição pública no sudeste do país. Nosso Programa de Pós-Graduação em Nutrição oferece Mestrado Acadêmico em Nutrição Humana, Mestrado Profissional em Nutrição Clínica e Doutorado em Ciências Nutricionais. Na formação em pós-graduação lato sensu, estão disponíveis curso de Especialização e residências multiprofissionais nos hospitais da UFRJ

Pesquisa 3

 Pesquisa

Nas linhas de pesquisa do INJC, vinculadas ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição, são desenvolvidos projetos em Ciência dos Alimentos, Bioquímica Nutricional, Micronutrientes e Epidemiologia Nutricional. Outros projetos não vinculados a essas linhas oferecem oportunidades para alunos de graduação e lato sensu.  As linhas e projetos contam com corpo docente qualificado, apoio de agências de fomento e parcerias com outras instituições de ensino e pesquisa, contribuindo para produção do conhecimento e qualificação de recursos humanos. 

Extenso 1

 Extensão

  As ações de Extensão - projetos, cursos e eventos - atendem, em especial, o público externo à Universidade, viabilizando a relação transformadora entre universidade e sociedade. Os projetos se articulam com pesquisas aplicadas e atividades de ensino, contribuindo com benefícios que vão além das ações com os sujeitos envolvidos. Os cursos e eventos recebem público diversificado, além da comunidade universitária, e contribuem para a popularização e disseminação da informação, fruto do trabalho acadêmico desenvolvido pelo INJC.

 

 

   ouvidoriaufrj acessoainform   capes  cnpq  Faperj  paltaformalattes periodicos  link helpTIC   logolanutri LogoLADIGE

Ver quantos acessos teve os artigos
137564.5

Av. Carlos Chagas Filho, 373 , CCS, Bloco J / 2º andar , Cidade Universitária, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro/RJ – CEP: 21941-902

Criado e atualizado por : Luciano Alvarez

UFRJ INJC - Instituto de Nutrição Josué de Castro
Desenvolvido por: TIC/UFRJ